Postado por Babi Lorentz em 20/09/14 às 14:31 // Categoria: Intrínseca, Leituras, Livros

SiloSilo é o primeiro livro de Hugh Howey, e um livro que pode realmente ser considerado por muitos como um clássico, assim como disse o Wired. Silo tem uma narrativa maravilhosa e é tão bem escrito que, muitas vezes, eu precisava parar para pensar no que tinha acabado de ler.

Em Silo, nos deparamos com muitos personagens. Todos eles têm importância para a história, até mesmo aqueles que são apenas citados. Howey tomou muito cuidado para escolher a personalidade de cada um, dando à história várias características únicas que fazem de Silo ser o que é.

O Xerife Holston decide sair do Silo. Querer sair e mostrar essa vontade é um crime bárbaro. As pessoas que decidem por sair, precisam passar pela limpeza. A limpeza acontece sempre que alguém decide sair do Silo e ir para a superfície, muitas vezes acreditando que o que vivem ali é uma grande mentira. Holston sente falta de sua mulher que resolveu sair há alguns anos e acaba indo atrás dela, pensando que provavelmente encontraria um belo lugar, a Terra como ela deve ser. Porém, ao se ver do lado de fora, as coisas não acontecem como ele esperava.

Agora o Silo precisa de um novo Xerife e é a partir daí que conhecemos a Prefeita Jahns, o delegado Marnes, que recusa veementemente aceitar o cargo, e vários outros personagens. Um desses é a “kick-ass” Juliette – impossível não querer ser amiga ou participar da vida dessa mulher de alguma forma. Perdão pela expressão, mas é bem difícil encontrar alguém na literatura que seja tão “foda” quanto ela.

Apesar de o livro se arrastar nas primeiras páginas (e a fonte utilizada na edição atrapalha bastante a vontade de não largar o livro) quando nos vemos acompanhando a prefeita Jahns e o delegado Marnes descendo as escadas até encontrar Juliette – pessoa que eles queriam como nova Xerife, depois da saída de Holston do Silo, acabamos por nos encantar com a história quando ela, Jules, aparece e toma conta da atenção de todos.

Silo foi uma surpresa boa pra mim. As últimas distopias que li não tinham todo esse trabalho com os detalhes. Hugh não só escreveu uma história, ele a explicou de todas as maneiras, deixando com que fosse possível enxergarmos tudo o que ele mostrava.

Outra coisa que me encantou bastante foi a sociedade criada pelo autor. Cada andar do silo tem sua função, cada pessoa sabe o que precisa fazer. Uma pessoa só nasce quando outra morre ou sai do silo e os casais são escolhidos para tentar engravidar por meio de uma loteria.

Hugh é um daqueles autores capazes de nos deixar ansiando pela continuação, ansiando por respostas, esperando descobrir tudo o que se passa na cabeça dele sobre uma história tão envolvente. Silo é, com certeza, um dos melhores livros que já li, cheio de mistérios, segredos, perguntas e respostas.


1 comentário


Postado por Babi Lorentz em 15/09/14 às 00:00 // Categoria: Leituras, Livros, Novo Conceito

se eu ficarComecei a ler Se eu Ficar pelo simples fato de estar esperando pelo Hangout com a Gayle Forman que aconteceu no dia 12 de Setembro. A Editora Novo Conceito resolveu convidar a autora para um bate papo e, como eu queria assistir, acabei passando o livro na frente de todas as outras leituras porque não queria receber nenhum spoiler.

Iniciei a leitura sem expectativa alguma, já que sempre que espero demais de algum livro por ver muita gente falando sobre ele, acabo me decepcionando. Foi bom ter começado a ler assim e sem a ideia de querer comparar a história a algum outro livro porque acabei me envolvendo com Se eu Ficar e chegando ao final em algumas horas de leitura.

A narrativa é extremamente fácil e, salvo alguns errinhos de ortografia, agradável. A autora consegue envolver o leitor já no início pelo fato de começar com a morte da Mia.

Pra quem ainda não leu nada sobre o livro, nem assistiu ao trailer do filme, Mia sofre um acidente com sua família e acaba se vendo órfã e fora de seu corpo, acompanhando todo o processo de ser levada para o hospital, passar por uma cirurgia e ficar internada na UTI, sem que ninguém veja que ela está ali.

Além disso, Mia tem um namorado totalmente apaixonado por ela, capaz de fazer as coisas mais loucas apenas para conquistá-la. O relacionamento já é estável desde o primeiro capítulo e, ao longo do livro, Forman foi intercalando os momentos no hospital com as lembranças que Mia tem de sua vida enquanto tenta se decidir se vai, acompanhando sua família, ou se fica – viva, ao lado de seu namorado, de seus amigos, de seus avós e de tudo mais que a espera enquanto ela está em coma.

É um livro envolvente, fofo e super rápido de se ler. Uma história de amor em todos os seus sentidos. Quem gosta de um drama mais leve, com certeza vai adorar Se eu Ficar.


2 comentários


Postado por Babi Lorentz em 13/09/14 às 00:00 // Categoria: Canal do Blog, Dicas, Divulgações

Quando uma pessoa muito querida resolve escrever um livro, cabe apenas a quem acredita na história (junto com o autor ou a autora) lutar para que ele seja visto por uma Editora, torcer para que ele seja lançado e distribuído em todo o Brasil e em todas as livrarias e fazer o máximo de barulho para que ele seja objeto de desejo de várias outras pessoas também.

#queremospictamundi

Eu me interessei por Picta Mundi por causa da Gleice Couto. Já acompanho o trabalho dela como blogueira há alguns anos e gosto bastante da forma que ela mostra sua opinião em suas resenhas, portanto ao saber que ela iria lançar seu livro de forma independente, não esperei muito tempo antes de fazer umas continhas e dividir o livro no cartão para que pudesse ler assim que ele fosse lançado.

É por causa de todo esse interesse que tenho pelo livro dela que resolvi me juntar a um pessoal maravilhoso lá do Youtube pra fazer barulho na Internet e mostrar por que Picta Mundi merece uma atenção maior das Editoras. Se você quiser saber os meus motivos, não deixe de conferir o vídeo.

Se você também se interessou pelo livro e quer ajudar a Gleice a conseguir a oportunidade de ter o livro lançado por alguma Editora, faça como eu e assine a petição usando apenas o seu e-mail.

Picta Mundi é o livro de estreia da Gleice Couto (Oh meu Deus, é a Gleice Couto!) e está em pré-venda por 35,90 no site www.pictamundi.com.br. Pra quem ainda não conhece a Gleice (COMO ASSIM?), ela é blogueira no Murmúrios Pessoais e também faz vídeos pro Youtube.


1 comentário


Postado por Kayo Ponath em 11/09/14 às 19:39 // Categoria: Adaptando Livros, Filmes, Livros

Bom, não vim aqui para falar sobre o livro, mas sim sobre o filme que será lançado dia 18 e que eu estou tremendo já de ansiedade para assistir. Pretendo fazer três posts até o lançamento, por isso o PARTE 1.

maze runner

Eu fiquei sabendo do lançamento do filme primeiro e depois descobri que era um livro. Confesso que me apaixonei de cara pelo filme somente pelo elenco, pois os dois personagens principais são interpretados por dois amores meus: Dylan O’Brien (Stiles Stilinski em Teen Wolf) e Kaya Scodelario (Effy Stonem na série inglesa Skins), depois disso fui atrás dos livros e, pra minha sorte, descobri que a Babi tinha todos. Ela me emprestou e já coloquei na lista dos 10 livros preferidos.

O primeiro livro, Maze Runner – Correr ou Morrer (resenha aqui), por ser um livro de mistério, ficção e ação eu já amei. Vamos lá.

maze runner

Bom, o Dylan interpreta o personagem principal, o Thomas, e a Kaya uma personagem que, na história, é a chave de tudo, a Teresa. Bom, para quem conhece Skins, sabe o quão boa foi a interpretação dela. Eu considero genial, pois a Effy é uma personagem quase sem emoção alguma e… Não tem como descrever a frieza com que ela interpreta. Além de ótima atriz, ela é linda e o mais legal, e que poucas pessoas sabem, é que sua mãe é brasileira e ela é fluente em português (bem que ela poderia dublar ela mesma em português, né, pois aqui o cinema da cidade só coloca filme dublado e… Já sabem).

maze runnerO Dylan é meu amor. Não tem Tyler Posey (Scott) e nem Tyler Hoechlin (Derek) em Teen Wolf. Eu assisto somente pelo Stiles o Danny e a Lydia (além de ele ser o mais bonito da série, ohom). Sou Stanny 4ever <3.

Um dia, Thomas, um garoto como qualquer outro, acorda dentro de um elevador, apenas com a lembrança de seu nome. Logo após a abertura das portas, Thomas se vê cercado por garotos, que o acolhem e mostram para Thomas a Clareira, um lugar completamente cercado por muros, que todos chamam de Labirinto.

Thomas não sabe como foi parar naquele local e nem quem o colocou ali, assim como todos os outros. Sabe-se apenas que todos os dias os muros se movem e se fecham, e todo mês, um novo garoto chega ao elevador, até que a rotina deles é alterada com a chegada de uma garota.

Essa garota é Teresa, ela fala o nome do Thomas e logo depois entra em coma (sentiu a importância?). Como eu disse, ali na Clareira, só se encontram meninos e que chega um garoto por mês, mas algo estranho aconteceu e logo depois de Thomas veio Teresa. Mas o que mais intriga os clareanos é a mensagem que ela carrega escrita, dizendo que o fim se aproxima. Mas o fim de quê? Eles sairiam dali? Morreriam? Qual a ligação entre os dois? Aproveita que da tempo ainda e corre pra ler antes do filme, descubra e solte spoiler na sala do cinema (brincadeira).

LEMBRE-SE SEMPRE QUE:


2 comentários


Postado por Babi Lorentz em 09/09/14 às 11:51 // Categoria: Música, Playlist

Além de Agosto ter sido o mês da Bienal, também foi o primeiro mês em que me vi fazendo duas faculdades ao mesmo tempo e tendo que me acostumar com a ideia de ter pouco tempo pra mim, pra fazer as coisas que eu gosto, pra ler, pra cuidar do blog e, inclusive, pra prestar atenção nas músicas que eu vinha escutando de lá pra cá.

O bom é que minha conta no LastFM (sim, criei um novo e você pode me adicionar por lá) me salvou mais uma vez e, tentando lembrar do que eu escutei bastante na Bienal (olha Anaconda aí em primeiro lugar), acabei juntando com o que tinha na conta e o que tivemos foi esse resultado aí embaixo. Divirtam-se!

Anaconda, Nicki Minaj

Cariño Mio, RBD

O Preço, Engenheiros do Hawaii

Let Her Go, Passenger

A Sky Full of Stars, Coldplay


1 comentário